Ordem Illuminati

S i t e O f i c i a l

O Bem Coletivo

A vida é movimento e evolução constante. Não existe direito que se ganhe ou se mantenha sem luta.
A constante evolução da sociedade cria situações onde a luta se faz necessária, tanto quanto para a sobrevivência própria quanto a coletiva, quando não, são os próprios costumes e liberdades que estão em risco.

O novo fascismo global, que usa da arma do “politicamente correto” para alienar e manipular as massas, está em fases finais de obter o domínio completo do planeta, com a ajuda da mídia e diversos meios de comunicação, tendo inclusive, agora, o auxílio das redes sociais, que por fim mostraram a que vieram.

Seremos muito sucintos, porque ao povo cabe o mérito da luta pela Liberdade e Igualdade:

E iniciando pela economia, “economicamente” de um lado, se o neoliberalismo devasta nações e riquezas, promovendo a liberdade irrestrita para a exploração pelos grandes, concentrando a riqueza de modo gigantesco, levando milhões a pobreza e miséria, de outro, “socialmente”, o esquerdismo cultural devasta a educação, costumes e a própria ética, na tentativa de inverter a moral. Acabam vitimando a honestidade e o trabalho, promovendo constante burocratizações, regulações, fazendo a criação contínua de leis contra os pequenos. As vitimas são destruídas por dentro e por fora.

Os tempos são sombrios e não esperemos mais o fascismo com a suástica e homens uniformizados. É muita inocência pensar que o espectro da violação das consciências se apresentaria novamente com estandartes e passeatas retumbantes. Os tempos e os modos diversificam os meios de atuação dessas sombras, com influência disfarçada de agir, passando despercebido para a maioria, e muitas vezes aparentando o bem.

Não é por menos que organismo internacionais, ong’s diversas, desde direitos humanos, de paz, ambientais, causas minoritárias e identitarias, hoje são as novas armas desse fascismo global, violador de dentro para fora, que busca a alienação e manipulação. Tudo para servir aos grandes exploradores da raça humana. O tempo urge. E nesse tempo, portanto, mantenhamos a atenção constante, como diz o velho adágio:

“O preço da Liberdade é a eterna vigilância”